EU NUNCA


 

EU NUNCA
EU NUNCA

press to zoom

press to zoom

press to zoom
EU NUNCA
EU NUNCA

press to zoom

 

    Baseado em fatos reais,  Eu Nunca conta a história de 3 jovens de vidas extremamente opostas, convivendo e dividindo suas intimidades até o limite do suportável. A peça traz à tona as questões mais emergentes da juventude moderna. “Descolado”, abusado e extremamente realista, o texto surpreende a cada cena, quebrando os clichês e os desfechos óbvios com os quais estamos acostumados, “desconstruindo contos de fadas” para que o jovem possa repensar a realidade como ela de fato se encontra nos dias de hoje. É ao mesmo tempo a narrativa da vida e três pessoas que buscam se encontrar e um retrato dos principais problemas que afetavam a juventude durante um período conturbado.

     Estreou em junho de 2016 na Livraria da Vila do shopping Higienópolis seguindo temporada no Teatro Raul Cortez e apresentação na Fundação Casa (antiga Febem). Foi reconhecido entre os 10 melhores textos jovens de 2016 por Dib Carneiro Neto.

     Quem nunca se sentiu atraído por alguma professora ou professor do colégio? Quem nunca se apaixonou pela pessoa errada? Quem nunca cabulou aula? A brincadeira do ‘Eu Nunca!’ é velha conhecida da juventude, que aplica penalidades aos participantes (como beber mais um shot), dependendo das respostas a todas essas perguntas e muitas outras.
Usando essa espécie de ‘jogo da verdade’ como inspiração e como prólogo do espetáculo (com a participação da plateia), três jovens atores muito talentosos escreveram o texto da peça Eu Nunca, em cartaz em São Paulo até o fim do mês. Gabriela Gama (que você conhece da premiada Fortes Batidas), Júlio Oliveira (que você conhece de Píramo e Tisbe, Aprendiz de Feiticeiro e das telenovelas Tititi, Sangue Bom e Os Dez Mandamentos) e Ghilherme Lobo (que você certamente conhece do aclamado filme Hoje Eu Quero Voltar Sozinho, no papel do adolescente cego), além de cuidarem da dramaturgia, também estão juntos no palco, falando de si, de sua geração e das perspectivas de futuro para quem acaba de concluir o tal do ensino médio. 

     Em essência, são três jovens com ideologias e formações bem diferentes – e isso faz o acerto da dramaturgia. A trama fala realmente a linguagem diversificada da juventude atual. E questiona as escolhas que essa galera faz ou que já é obrigada a começar a fazer na faixa de 17 anos em diante. Como é encarar o início da vida adulta? Como enfrentar tantos e tantos ‘nãos’ que se ouve na incipiência da maturidade? A batalha por emprego, a guerra do vestibular, o envolvimento com as drogas, as decepções familiares, a dependência financeira, a rotina dentro de um apartamento compartilhado, o fascínio das falsas promessas de felicidade... Tudo isso está no palco, muito bem defendido pelo ótimo elenco. De toda forma, a química entre os três é consistente e conquista a empatia da plateia do início ao fim, fazendo de Eu Nunca uma atração imperdível para adolescentes que já não se mobilizam com as temáticas do teatro infantil e precisam ser fisgados para um teatro de identificação e espelhamento.  Junte a galerinha e corra pra ver.

Dib Carneiro Neto

Gabriela

Gama