FORTES BATIDAS

press to zoom

press to zoom

press to zoom

press to zoom
 

      Fortes Batidas é uma peça de teatro que se passa durante uma balada. O público fica o tempo todo na pista, interagindo com os 15 atores. É permitido beber, dançar e beijar enquanto rola a peça. Dizem que o nome disso é teatro imersivo. Seja como for, é um grande espetáculo, concebido e dirigido por Pedro Machado Granato, que também assina a dramaturgia final.

         Fortes Batidas é um digno representante de uma vertente que se convencionou chamar de ‘teatro jovem’, tão difícil de ser contemplada com bons espetáculos. Aqui, o tema é jovem, o elenco é jovem, a trilha é jovem, o universo retratado é completamente ligado aos jovens. Digo isso porque, muitas vezes, a intenção é ser jovem, mas o resultado nem chega perto. Na balada de Granato, não há riscos: tudo transpira juventude.

       Como espectadores, vemos desfilar à nossa frente uma galeria de personagens críveis, com diálogos absolutamente verossímeis, configurando essa experiência performática em um irretocável retrato geracional. Em foco, questões importantíssimas da atualidade como a homofobia e a intolerância sexual.

     Com apoio amplo e geral da grande Lizette Negreiros, da Divisão de Curadoria Infantil do Centro Cultural São Paulo, Fortes Batidas fez uma primeira e retumbante temporada no porão do CCSP, com filas enormes e gente voltando para casa sem caber dentro da balada. Agora, a partir deste fim de semana, a segunda temporada transcorre no Teatro Pequeno Ato, na Consolação. Quem gosta de aventuras cênicas inusitadas e ousadas não pode perder por nada.

       Vale citar os nomes de todos os integrantes do elenco, pois todos estão muito bem integrados à proposta da balada teatral, com jogo de cintura para lidar com as improvisações inevitáveis nesse tipo de interação com o público. Parabéns. São eles: Ariel Rodrigues, Beatriz Silveira, Bianca Lopresti, Eduardo Scudeler, Fernando Vilela, Gabriela Andrade, Gabriela Gama, Gal Goldwaser, Ingrid Mantovan, Ivan Arcuschin, Laura Vicente, Lia Maria, Lucas Oranmian, Mateus Fávero e Maurício Machado.

Dib Carneiro Neto

         A peça estreou no Centro Cultural São Paulo, seguindo temporadas no  Teatro Pequeno Ato, SESCs e CEUs e FIT – Festival Internacional de Teatro de São José do Rio Preto. PRÊMIO APCA – Melhor espetáculo em lugar não convencional; PRÊMIO ESPECIAL FEMSA COCA COLA – Melhor experimentação de linguagem; PREMIO ZÉ RENATO.

 

EU NUNCA


 

EU NUNCA
EU NUNCA

press to zoom

press to zoom

press to zoom
EU NUNCA
EU NUNCA

press to zoom

 

    Baseado em fatos reais,  Eu Nunca conta a história de 3 jovens de vidas extremamente opostas, convivendo e dividindo suas intimidades até o limite do suportável. A peça traz à tona as questões mais emergentes da juventude moderna. “Descolado”, abusado e extremamente realista, o texto surpreende a cada cena, quebrando os clichês e os desfechos óbvios com os quais estamos acostumados, “desconstruindo contos de fadas” para que o jovem possa repensar a realidade como ela de fato se encontra nos dias de hoje. É ao mesmo tempo a narrativa da vida e três pessoas que buscam se encontrar e um retrato dos principais problemas que afetavam a juventude durante um período conturbado.

     Estreou em junho de 2016 na Livraria da Vila do shopping Higienópolis seguindo temporada no Teatro Raul Cortez e apresentação na Fundação Casa (antiga Febem). Foi reconhecido entre os 10 melhores textos jovens de 2016 por Dib Carneiro Neto.

     Quem nunca se sentiu atraído por alguma professora ou professor do colégio? Quem nunca se apaixonou pela pessoa errada? Quem nunca cabulou aula? A brincadeira do ‘Eu Nunca!’ é velha conhecida da juventude, que aplica penalidades aos participantes (como beber mais um shot), dependendo das respostas a todas essas perguntas e muitas outras.
Usando essa espécie de ‘jogo da verdade’ como inspiração e como prólogo do espetáculo (com a participação da plateia), três jovens atores muito talentosos escreveram o texto da peça Eu Nunca, em cartaz em São Paulo até o fim do mês. Gabriela Gama (que você conhece da premiada Fortes Batidas), Júlio Oliveira (que você conhece de Píramo e Tisbe, Aprendiz de Feiticeiro e das telenovelas Tititi, Sangue Bom e Os Dez Mandamentos) e Ghilherme Lobo (que você certamente conhece do aclamado filme Hoje Eu Quero Voltar Sozinho, no papel do adolescente cego), além de cuidarem da dramaturgia, também estão juntos no palco, falando de si, de sua geração e das perspectivas de futuro para quem acaba de concluir o tal do ensino médio. 

     Em essência, são três jovens com ideologias e formações bem diferentes – e isso faz o acerto da dramaturgia. A trama fala realmente a linguagem diversificada da juventude atual. E questiona as escolhas que essa galera faz ou que já é obrigada a começar a fazer na faixa de 17 anos em diante. Como é encarar o início da vida adulta? Como enfrentar tantos e tantos ‘nãos’ que se ouve na incipiência da maturidade? A batalha por emprego, a guerra do vestibular, o envolvimento com as drogas, as decepções familiares, a dependência financeira, a rotina dentro de um apartamento compartilhado, o fascínio das falsas promessas de felicidade... Tudo isso está no palco, muito bem defendido pelo ótimo elenco. De toda forma, a química entre os três é consistente e conquista a empatia da plateia do início ao fim, fazendo de Eu Nunca uma atração imperdível para adolescentes que já não se mobilizam com as temáticas do teatro infantil e precisam ser fisgados para um teatro de identificação e espelhamento.  Junte a galerinha e corra pra ver.

Dib Carneiro Neto

VELHAS AMIGAS


 

press to zoom

press to zoom

press to zoom

press to zoom

Série Velhas Amigas. Três melhores amigas (Lurdinha, Violeta e Maria Antônia)  da vida inteira que vivem intensamente o significado da palavra amizade, vivida pelas 3 hoje e na década de 80. Exibição Netflix 2018.

CHICAGO

press to zoom

press to zoom

press to zoom

press to zoom
    

   Apresentado em 2015, Chicago, uma adaptação do musical da Broadway, foi dirigido por Dan Rosseto,  com apresentações no Teatro Aliança Francesa.


 

INTERVENÇÕES SUBMERSAS

DIREÇÃO KIKO MARQUES

2019 SESC POMPEIA

2 PALITOS

DIREÇÃO LUCCAS PAPP

2019 TEATRO VIGA e TEATRO PARLAPATÕES

A RAINHA DA NEVE

DIREÇÃO LEANDRO MARIZ

2019 TEATRO JARDIM SUL

CARCEREIROS

DIREÇÃO JOSÉ EDUARDO BELMONTE

2018 REDE GLOBO

ÓPERA O CAVALEIRO DA ROSA

DIREÇÃO PABLO MARITANO

2018 THEATRO MUNICIPAL DE SÃO PAULO

ENTRE A PORTA ESTÁ ABERTA

DIREÇÃO DAN ROSSETO

2018 TEATRO ITÁLIA

OS TRÊS PORQUINHOS - O RETORNO DO LOBO

DIREÇÃO LEANDRO MARIZ

2018 TEATROS PROMON/LIVRARIA DA VILA/EVA WILMA/FOLHA

MUNDO DE NOEL

DIREÇÃO WALTHER NETO E ANGELA ETELL

2017 GINÁSIO DO IBIRAPUERA

QUEM TEM MEDO DE ITÁLIA FAUSTA

DIREÇÃO EDUARDO MARTINI

2016 TEATRO ITÁLIA

ÓPERA MADAME BUTTERFLY

DIREÇÃO ANDRÉ LATORRE

2015 AUTÓDROMO DE INTERLAGOS

CAVALOS

DIREÇÃO LUCIENNE GUEDES

2015 CENTRO CULTURAL VERGUEIRO

A IDADE DA AMEIXA

DIREÇÃO VINICIUS TORRES

2014 TEATRO CÉLIA HELENA

MANIFESTO À BELEZA

DIREÇÃO DANIELA ADONI

2012 TEATRO VIVO

QUEM SOU EU?

DIREÇÃO JÚLIO OLIVEIRA

2012 TEATRO GRANDE OTELO

NAS ALTURAS

DIREÇÃO ALEXANDRE OGATA

2010 TEATRO CULTURA INGLESA

TRETA NO JARDIM

DIREÇÃO ALBANO SARGAÇO

2007 TEATRO CULTURA INGLESA

Please reload

Gabriela

Gama